Seja bem-vindo - Sexta-Feira, 22 de Setembro de 2017 - 15:43

Os homens de hoje não acreditam no inferno.


No inferno as chamas não param de arder!

Os homens de hoje não acreditam na existência do inferno. Eles se criaram um além segundo sua própria conveniência, sendo menos aterrorizante para sua consciência. Discípulos mais ou menos fiéis do Espírito do Mal, eles sabem bem que sua consciência recuaria frente a certos delitos, se eles acreditassem realmente no inferno, segundo a fé ensina. Eles sabem que a sua consciência, uma vez o delito cometido, acharia o arrependimento no remorso ou no medo, e graças ao arrependimento, o faria se voltar à mim.

Sua malícia, instruída por Satã, os faz servos e escravos dele. Por consequência, o homem abandona a fé para dar lugar ao inferno.

O homem vai tão longe nesta ideia que ele acredita que o maior dos pecadores da humanidade foi Judas Iscariotes, aquele que se tornou comerciantes do Filho de Deus vendendo-o por trinte peças e um beijo – um valor monetário desejoso e um valor afetivo infinito.

Se Judas foi o sacrilégio por excelência, eu não o sou. Se ele foi o injusto por excelência, eu não o sou. Perdoar a Judas seria um sacrilégio em relação à minha divindade que ele traiu, seria uma injustiça em relação aos outros homens, sempre menos culpados que ele, mas também carregando seus pecados, seria desprezar meu sangue, enfim, seria não dar conta de minhas leis.

Eu disse, eu que sou Deus uno e trino, que aquele que está destinado ao inferno, irá morrer. O fogo é eterno e todos os artesãos de escândalos e iniquidades ali se acharão.  E não penseis que isso se dará no momento do fim do mundo. Ao contrário, a terrível revisão de vida, será seguida de lágrimas e tormentos. E haverá um dia em que a porta do inferno de Satã será fechada e o abismo não existirá mais.

Eu já te disse que o purgatório é um fogo de amor, mas o inferno é um fogo de severidade.

O purgatório é um lugar no qual vós refletis sobre vossas faltas de amor em relação a vosso Senhor Deus, pensando Nele, cuja essência brilhou frente a vós no momento de vosso julgamento particular e vós desejastes possuí-lo. Por amor, vós alcançastes o Amor e passando pelos degraus da caridade, vós haveis vestido vestes puras e luminosas para entrar no Reino da Luz.

O inferno é um lugar onde o pensamento e a lembrança de Deus não existem como no purgatório, em que cada instante de sofrimento, aproxima a alma de Deus. Ao contrário, há arrependimento, remorso, ódio, danação, raiva contra Satã, raiva contra os homens, raiva contra si mesmo.

Depois de ter, durante a vida, adorado Satã, ao invés de me adorar, os homens veem realmente quem ele é, e o odeiam com o coração atormentado.

Depois de ter esquecido sua dignidade de filho de Deus ao ponto de adorar os homens e se tornarem assassinos, ladrões, estupradores, agora eles encontram o patrão pelo qual eles mataram, roubaram, violaram e venderam sua própria honra, se tornando criaturas mal-amadas e odiando cada vez mais Satã.

Depois de terem atendido aos prazeres da carne, passando por cima das Leis de Deus e toda a moral, eles se odeiam a eles mesmos, pois foram eles mesmos que causaram seus próprios tormentos.

A palavra “ódio” recobre este reino imenso cheio de demônios e lamentações, onde a lembrança do Amor divino está perdida para sempre.

No meio das chamas de encontra a alma morta, que grita sem cessar, morrendo e renascendo a todo instante, sofrendo dores atrozes. O crime de ter traído Deus no tempo fica frente a sua alma para a eternidade; o erro de ter recusado Deus no tempo fica eternamente presente para o seu tormento.

No fogo, as chamas não param de arder. E Deus diz: “Você escolheu o fogo das paixões desordenadas. Receba agora este fogo. ”

O fogo responde ao fogo. No paraíso, há fogo de amor perfeito. No purgatório, há fogo de amor purificador. No inferno há fogo de amor ofendido. No inferno, os amaldiçoados queimam no fogo, no fogo da cólera de Deus que os queima pela eternidade.  E junto com este fogo há um frio glacial.

Ó! Vós não podeis imaginar o que é o inferno! Tomais todos os tormentos do homem sobre a terra e adicionai e multiplicai estes tormentos milhares de vezes... vós não imaginais o que é esta terrível verdade.

Um frio sideral se mistura a um calor insustentável. Os condenados queimam ao mesmo tempo em que congelam. O tormento não cessa. Ó. Não há mais uma linguagem metafórica aqui. As almas pesam e são torturadas.

O terceiro tormento é a escuridão material e espiritual. Se encontrar para sempre nas trevas depois de ter visto a luz do paraíso é uma das maiores dores. As almas se debatem no horror obscuro, sem luz, onde os espíritos queimam e congelam em seu pecado eterno. A morte nutri a morte por toda a eternidade.

Eu vos digo isso, eu que criei este lugar: quando eu desci para tirar do limbo aqueles que esperavam a minha vinda, eu tive horror, eu que sou Deus. Eu gostaria que isso fosse menos atroz, então porque quereis neste lugar tão horrível?

Meditais no que vos digo. Nós damos aos doentes remédios amargos. Os locais em que há câncer são cauterizados e o mal extinto. Para vós que sois doentes e cancerosos, minha palavra é remédio. Não recuseis isto. Servis disto para serdes curados. Fazei com que vossa vida caminhe na Luz da alegria de Deus para andar rumo a uma bela eternidade e não onde permanece Satã.


Referência:
Texto: Les Cahiers de 1944 – Maria Valtorta (página 61 a 65).
Santuário Nossa Senhora Desatadora dos Nós.


Voltar

Links Relacionados